O anestesiologista é o responsável por aplicar a anestesia, um composto medicinal que elimina a sensação de dor durante uma operação ou exame. Além de aplicar a anestesia, eles acompanham o paciente durante todo procedimento, sendo responsável por monitorar os sinais vitais e as reações do organismo¹,³. O dia 16 de outubro foi designado para celebrar o Dia Mundial deste profissional. Nesta data, em 1846, foi usado pela primeira vez um aparelho inalador de éter para realizar uma cirurgia de maior porte, provocando uma anestesia geral no paciente. O aparelho foi idealizado pelo dentista Thomas Green Morton, dos Estados Unidos, que já vinha utilizando o éter em seus procedimentos de extração dentária². A primeira anestesia geral com este produto foi realizada no Brasil em 1847, no Hospital Militar do Rio de Janeiro¹.

Existem dois tipos de anestesia: A geral, que tem efeito em todo o corpo, deixando o paciente sem qualquer sensibilidade e inconsciente e a parcial (como a raqueanestesia e a peridural), em que apenas uma parte do corpo é anestesiada. Neste último caso, o paciente pode ou não ficar consciente. A duração de cada uma delas depende do tempo em que o procedimento será realizado³.

Os riscos da anestesia, atualmente, são bem raros, por conta das técnicas modernas. O profissional anestesiologista reduzirá ao máximo os perigos de acidentes ou complicações³.

 

 

Fontes:
1- Dia do Anestesiologista – Jornal do Médico. Disponível em https://jornaldomedico.com.br/dia-do-anestesiologista/. Último acesso no dia 6 de outubro de 2020.
2– Thomas Green Morton, o inventor da anestesia – Scielo – Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1676-24442009000400001. Último acesso no dia 6 de outubro de 2020.
3- Anestesia tem risco? – Biblioteca Virtual em Saúde – Ministério da Saúde Brasil. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/dicas-em-saude/469-anestesia-tem-risco. Último acesso no dia 6 de outubro de 2020.