O câncer de pulmão é bastante comum em homens e mulheres e o segundo com mais ocorrências de morte, especialmente no Brasil. Sua principal causa é o tabagismo (85% dos diagnósticos são pelo uso do cigarro). Outros fatores que aumentam o risco de desenvolvimento da doença estão ligados a exposição à poluição do ar e a agentes químicos ou físicos, doença que atinge o pulmão (como o enfisema pulmonar e bronquite crônica), fatores genéticos, entre outros¹.

O diagnóstico precoce pode proporcionar um tratamento mais eficiente, porém, os sintomas geralmente aparecem quando a doença tem um avanço significativo. Os principais sintomas são: tosse ou rouquidão persistentes, escarro com sangue, cansaço e falta de ar, dor no peito e perda de peso e apetite. Ao procurar ajuda médica, deve ser feita uma investigação por meio de exames clínicos, laboratoriais ou radiológicos¹,².

Os tratamentos mais comuns para o câncer de pulmão são a quimioterapia, a radioterapia e a imunoterapia³. A terapia mais adequada irá depender do estágio do câncer e o local onde as células comprometidas estão inseridas. A cirurgia é indicada para um pequeno grupo de pacientes, geralmente quando o câncer é localizado. Uma combinação das terapias também pode ser necessária, ou seja, cirurgia seguido de quimioterapia ou radioterapia, por exemplo¹.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA) são três os tipos de cirurgias indicadas: a “segmentectomia e ressecção em cunha” (retira apenas a parte do tumor), indicada para casos com tumores pequenos e em pessoas com idades avançadas ou condições limitadas; a “lobectomia”, que consiste na retirada de todo o lobo pulmonar (grupo de segmentos), removendo todo o tumor; e a “pneumectomia”, retirada de todo o pulmão comprometido¹.

A melhor prevenção é evitar o tabaco e estar próximo de fumantes (exposição passiva). Alimentação balanceada e exercícios físicos também contribuem para diminuir os riscos de desenvolver qualquer tipo de câncer. Outra indicação importante é evitar a exposição a agentes químicos como urânio, arsênico, cromo, cloreto de vinila etc.)¹,4.

O paciente com câncer de pulmão tende a sentir falta de ar. Por isso, é indicado procurar um profissional de saúde que o ensine táticas de respiração, como inspirar pelo nariz e soltar pela boca devagar. Comer porções menores durante as refeições para ajudar na mastigação, evitar subir e descer escadas, entre outras dicas, também ajuda a amenizar o quadro de falta de ar5.

O diagnóstico de câncer é algo que mexe com o psicológico das pessoas, provocando ansiedade, depressão, entre outras emoções. Por isso, é importante que a família e amigos dê o suporte para o doente com conversas e incentivos.

 

 

Fontes:
1- Câncer de pulmão – Instituto Nacional do Câncer (INCA). Disponível em: https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-de-pulmao. Último acesso em 10 de agosto de 2020.
2- Overview Lung cancer. National Health Service UK. Disponível em: https://www.nhs.uk/conditions/lung-cancer/. Último acesso em 10 de agosto de 2020.
3- Treatment Lung cancer. National Health Service UK. Disponível em: https://www.nhs.uk/conditions/lung-cancer/treatment/. Último acesso em 10 de agosto de 2020.
4- Prevention Lung cancer. National Health Service UK. Disponível em: https://www.nhs.uk/conditions/lung-cancer/prevention/. Último acesso em 10 de agosto de 2020.
5- Living with Lung câncer. National Health Service UK. Disponível em: https://www.nhs.uk/conditions/lung-cancer/living-with/. Último acesso em 10 de agosto de 2020.