Dicionário da Saúde | Por: Eurofarma Laboratórios

Câncer de pele

O que é

O câncer de pele é o tipo mais comum de câncer, atingindo cerca de 25% dos casos registrados. Trata-se de um crescimento anormal das células que compõem a pele. Como qualquer célula da pele pode originar um câncer, existem diversos tipos da doença. Eles podem ser divididos em câncer de pele não melanoma e câncer de pele melanoma.

Entre os cânceres de pele não melanoma, está o carcinoma basocelular (CBC – mais frequente e menos agressivo) e o carcinoma espinocelular ou epidermoide (CEC – mais agressivo e de crescimento mais rápido). Cerca de 80% dos casos de cânceres de pele são de carcinoma basocelular.

 

Causas

Exposição solar ao longo da vida sem proteção adequada, ter mais de 50 anos, ter cabelo, olhos e pele claros, histórico familiar e sistema imunológico enfraquecido são os principais fatores de risco para o desenvolvimento do câncer de pele.

 

Sintomas

Os sintomas variam de acordo com o tipo do câncer de pele.

Carcinoma basocelular: mais comum no rosto, pescoço e outras partes que ficam expostas ao sol, pode apresentar uma aparência levemente diferente da pele normal. Este carcinoma parece um nódulo que tem aparência perolada; pode ser branca, rosa claro, bege ou marrom; sangra com facilidade; parece uma ferida que não cicatriza; e pode formar uma crosta e vazar algum líquido.

Carcinoma espinocelular: as áreas mais comuns para o aparecimento deste carcinoma são as que ficam expostas ao sol, com 70% dos casos ocorrem na cabeça, pescoço e dorso das mãos, 15% nos membros superiores. O surgimento também é comum na boca e pode ocorrer nas membranas mucosas e genitais. É uma mancha ou nódulo que mostra sinais de dano solar sobre a pele; tem a cor avermelhada; tem aparência mais endurecida, com descamação e crostas; crescimento rápido; parece uma ferida que não cicatriza.

Melanoma: pode surgir na pele, olhos, orelhas, trato gastrointestinal, nas membranas mucosas e genitais. Os sintomas mais frequentes são: mudança em uma pinta ou mancha inexistente; desenvolvimento de uma nova mancha ou pinta bem pigmentada; pode aparecer coceira, comichão, sangramento e não cicatrização da área.

Como o câncer de pele varia muito, é preciso ficar atento a qualquer novo sinal na pele ou mudança em uma pinta/mancha já existente. E procure um médico sempre que notar uma nova lesão ou quando uma lesão antiga sofrer alguma alteração.

 

Diagnóstico 

Avaliação clínica e exame anátomo patológico (biópsia) do tecido suspeito são utilizados para o diagnóstico. Entre os exames temos a Dermatoscopia, Microscopia confocal e Biópsia.

 

Tratamento 

A cirurgia para a retirada do tumor é o tratamento mais indicado. Para casos específicos, como em idosos e acamados, a cirurgia não é indicada e o tratamento variará conforme o tipo do câncer.

 

Prevenção

Evitar exposição solar sem proteção, examinar periodicamente sua pele e ir ao dermatologista são algumas das formas de prevenir o câncer de pele.