Atualmente, existem diversas opções de métodos contraceptivos disponíveis no mercado. Com essa oferta de produtos, a maioria das mulheres enfrenta um grande dilema na hora de identificar aquele que será o melhor para elas. Por isso, a ajuda de um profissional da saúde nesta hora é essencial, pois ele analisará o histórico da paciente e realizará exames físicos para definir qual método será o mais indicado para cada uma.

O organismo da mulher passa por mudanças físicas ao longo de sua vida, o que torna necessária a realização de novas avaliações de rotina sobre o método de contracepção utilizado. Para a escolha da melhor opção, são considerados fatores como doenças pré-existentes, idade, histórico familiar e rotina da paciente.

Mas você conhece todos os métodos contraceptivos? Veja abaixo quais são as opções!

Pílula anticoncepcional – É o tipo mais utilizado em todo o mundo e um dos mais eficientes para se evitar a gravidez, quando utilizado corretamente. Há diferentes pílulas disponíveis no mercado, sendo que as mais utilizadas são as compostas por estrogênio e progesterona sintéticos.

Anel vaginal – Feito de silicone, o anel combina os dois tipos de hormônio, que serão liberados gradativamente ao longo dos 21 dias de uso. Assim como a pílula anticoncepcional, após esse período a paciente faz uma pausa.

Injetáveis – São injeções intramusculares e existem dois tipos: a mensal e a trimestral. A primeira é de estrogênio e progestagênio, enquanto a segunda só tem progesterona sintética.

Adesivo – Com doses de estrogênio e progestagênio que são liberadas aos poucos, a paciente pode colocá-lo na pele do abdômen, coxa, nádegas ou costas. O método é utilizado durante 21 dias e o adesivo precisa ser trocado semanalmente.

Implante – Inserido logo abaixo da pele do braço, o implante libera pequenas doses de progestagênio na circulação sanguínea. Geralmente, sua vida útil pode ser de até três anos.

DIU de cobre – O dispositivo é colocado no útero e dura até cinco anos. Ele faz com que o órgão se torne um ambiente hostil aos espermatozoides, dificultando a movimentação deles.

DIU com hormônio – Também inserido no útero pelo médico, o dispositivo dificulta a movimentação dos espermatozoides inibe o crescimento do endométrio ao liberar o hormônio progestagênico.

Diafragma – Introduzido na cavidade vaginal, é um anel flexível que forma uma espécie de tampa protetora do colo do útero, que impede a passagem dos espermatozoides. Precisa ser usado com espermicida e introduzido entre 15 e 30 minutos antes da relação. O diafragma deve ser retirado de 6 a 8 horas depois.

Camisinha feminina – Deve ser introduzida na cavidade vaginal, assim como o diafragma. Além de evitar a gravidez, também previne contra doenças sexualmente transmissíveis.

Camisinha masculina – Quando usada de maneira correta, além de evitar a gravidez, é o método mais eficiente na prevenção de doenças sexualmente transmissíveis.

 


Fontes: 
http://mdemulher.abril.com.br/saude/quer-largar-a-pilula-anticoncepcional-conheca-metodos-contraceptivos-sem-uso-de-hormonio/# 
https://saude.abril.com.br/medicina/conheca-metodos-anticoncepcionais/ 
http://vilamulher.uol.com.br/bem-estar/saude/dicas-para-escolher-o-seu-metodo-contraceptivo-11-1-60-550-e-200.html
http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/sexualidade/pilula-anticoncepcional.htm