Site 

O colesterol é um composto químico gorduroso que integra a membrana das células do organismo (1). A maior parte dele é sintetizada no fígado e transportada no sangue por proteínas especiais, as “lipoproteínas”, que são encarregadas pela distribuição por todo o corpo (1).  

Entre as lipoproteínas, as mais importantes são as LDL e a HDL (1). A primeira delas, a LDL, é associada ao risco de desenvolver doenças coronarianas e por isso é conhecida como “colesterol mau” (1). Elas estão presentes em alimentos de origem animal, e são essenciais para a produção de hormônios no organismo, no entanto, o excesso pode ser danoso ao organismo (1).  

 

Mas, afinal, como o colesterol leva à doença do coração?  

Como dito anteriormente, o excesso da LDL pode formar uma placa gordurosa que estreita o vaso sanguíneo, impedindo a circulação do sangue (1). Com isso, o coração sofre com a falta de sangue e oxigenação adequada, provocando dor no peito ou até mesmo o bloqueio total da passagem de sangue, acarretando no infarto (1).  

No entanto, o HDL, conhecido como “bom colesterol”, remove parte das gorduras nas artérias e as devolve para o fígado (1). Quanto mais presentes no sangue, maior a proteção do organismo (1).  

Confira abaixo algumas curiosidades sobre o colesterol (2): 

  • O colesterol é necessário ao organismo, pois faz parte da estrutura das células do cérebro, nervos, músculos, pele, fígado, intestinos e coração.  
  • Ele é importante para a formação de hormônios de vitamina D e até mesmo de ácidos biliares, que ajudam a digestão de gorduras na alimentação; 
  • O excesso de colesterol ruim causa infarto e AVC, mas o excesso de colesterol bom (o HDL), nos protege de doenças cardíacas. Apenas o colesterol ruim precisa ser tratado; 
  • O excesso de colesterol ocorre por fatores genéticos e alimentares – cerca de 70% do colesterol no sangue vem do fígado e apenas 30% é da alimentação. Ao passar pelo sangue, o colesterol precisa ser enviado novamente para o fígado para formar bile. 
  • Os níveis de colesterol no sangue dependem da capacidade do fígado em removê-lo, por isso que varia de pessoa para pessoa; 
  • Pessoas magras podem ter colesterol alto – excesso de peso não significa ter colesterol alto (e vice-versa), pois o nível de colesterol depende da taxa de remoção pelo fígado, que é genética.  
  • O colesterol ruim forma placa de ateroma: o excesso de LDL-colesterol causa doenças vasculares porque se deposita na parede interna das artérias e forma a “ateroma”, placa que obstrui gradualmente as artérias e pode causar infarto agudo do miocárdio e AVC. 
  • Quanto mais avançada a idade, maiores as chances de infarto ou AVC. Por isso, é preciso controlar outros fatores de risco como a glicose, pressão, fumo e obesidade. 
  • O estilo de vida afeta bastante para a redução de riscos de infarto e AVC. Por isso, é importante evitar o sedentarismo e alimentos com muita gordura como o bacon, gema de ovos, pele de carne de aves, creme de leite, nata, frituras, salsichas, embutidos e carnes. 
  • Todas as pessoas acima dos 10 anos devem dosar no colesterol. 
  • O tratamento é preventivo e permanente, pois não se busca uma curta, e sim um controle que pode ser feito por medidas de estilo de vida. 
  • O tratamento reduz mortalidade: para cada 40mg/dL de colesterol LDL reduzido, a mortalidade por infarto se reduz em 20%. 

 

Fontes: 
1 – Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio de Janeiro – SOCERJ. Colesterol e Triglicérides. Disponível em https://socerj.org.br/colesterol-e-triglicerideos/  
2- Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia – 10 coisas que você precisa saber sobre o colesterol. 2010. Disponível em https://www.endocrino.org.br/10-coisas-que-voce-precisa-saber-sobre-o-colesterol/