A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera que a dependência em drogas lícitas ou ilícitas é uma doença. O uso indevido de substâncias como álcool, cigarro, crack e cocaína é um problema de saúde pública de ordem internacional que preocupa nações do mundo inteiro, pois afeta valores culturais, sociais, econômicos e políticos¹.

A Assembleia Geral das Nações Unidas decidiu proclamar 26 de junho como o Dia Internacional contra o Abuso e o Tráfico Ilícito de Drogas, por meio da resolução 42/112 de 7 de dezembro de 1987, como expressão de sua determinação em reforçar a ação e a cooperação para alcançar o objetivo de uma sociedade internacional livre de droga, reconhecendo que, apesar de contínuos e crescentes esforços por parte da comunidade internacional, este problema continua a constituir uma ameaça grave para a saúde pública, a segurança e o bem-estar da humanidade, em particular os jovens².

 

Tipos¹:

Maconha – O uso crônico está associado a problemas respiratórios, já que a fumaça é irritante e seu teor de alcatrão é muito alto, além de conter benzopireno, substância cancerígena. As consequências do uso da maconha são semelhantes aos do tabaco: hipertensão, asma, bronquite, cânceres, doenças cardíacas e doenças crônicas obstrutivas aéreas. No caso de pessoas com transtornos psicóticos (pré-existentes) pode ocorrer um agravamento do quadro, como a esquizofrenia. Seu uso regular acarreta problemas cognitivos como o comprometimento do rendimento intelectual, perda de memória e da habilidade de resolver problemas. A abstinência é caracterizada pela ansiedade, insônia, perda de apetite, tremor das mãos, sudorese, reflexos aumentados, bocejos e humor deprimido.

Cocaína – É uma substância psico-estimulante, consumida de diferentes formas: aspirada, via intravenosa ou fumada (crack). O consumo da cocaína em grande parte dos usuários aumenta progressivamente, pois é necessário consumir maiores quantidades para atingir o efeito desejado. No Brasil, por exemplo, a cocaína é a substância mais utilizada pelos usuários de drogas injetáveis. Muitas dessas pessoas compartilham agulhas e seringas e expõem-se ao contágio de várias doenças como hepatite e Aids.

Crack – É resultante da mistura de cocaína, bicarbonato de sódio ou amônia e água destilada, resultando em grãos que são fumados em cachimbos. O consumo do crack é maior que o da cocaína, pois é mais barato e seus efeitos duram menos. Além disso, tem terrível ação sobre o sistema nervoso central e cardíaco.

Anfetaminas – São drogas sintéticas de efeito estimulante do sistema nervoso central e só podem ser comercializadas sob prescrição médica. Um tipo de anfetamina ilícita não encontrada em farmácias é o êxtase. Seu uso indevido e prolongado pode provocar alterações psíquicas, lesões cerebrais e aumento do risco de convulsões, além da overdose.

Calmantes e sedativos – Os medicamentos capazes de diminuir a atividade do cérebro são chamados de sedativos, já os que são capazes de diminuir a dor são conhecidos como analgésicos. Os hipnóticos ou soníferos são os sedativos capazes de afastar a insônia, já os ansiolíticos têm o poder de atuar sobre estados exagerados de ansiedade.

Alcoolismo – é uma doença crônica, com aspectos comportamentais e socioeconômicos, caracterizada pelo consumo compulsivo de álcool, na qual o usuário se torna progressivamente tolerante à intoxicação produzida pela droga e desenvolve sinais e sintomas de abstinência, quando a mesma é retirada. Além da já reconhecida predisposição genética para a dependência, outros fatores podem estar associados: ansiedade, angústia, insegurança, fácil acesso ao álcool e condições culturais.

 

Prevenção¹

É muito difícil convencer alguém a não fazer algo que lhe dê prazer. Drogas e álcool, antes de qualquer outra coisa, oferecem prazer imediato, e por causarem dependência física, psicológica e síndrome de abstinência, são de difícil tratamento. As ações preventivas devem ser planejadas e direcionadas para o desenvolvimento humano, o incentivo à educação, à prática de esportes, à cultura, ao lazer e ao conhecimento sobre seus efeitos, com embasamento científico.

 

Fontes:
1- 20/02 – Dia Nacional de Combate às Drogas e ao Alcoolismo – Biblioteca Virtual em Saúde. Ministério da Saúde. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/ultimas-noticias/2908-20-02-dia-nacional-de-combate-as-drogas-e-ao-alcoolismo. Último acesso no dia 22 de junho de 2020.
2- Dia Internacional da Luta contra o uso Indevido e o Tráfico de Drogas 2014 traz “Uma mensagem de esperança” – Organização Pan-Americana de Saúde. Disponível em: https://www.paho.org/bireme/index.php?option=com_content&view=article&id=249:dia-internacional-da-luta-contra-o-uso-indevido-e-o-trafico-de-drogas-2014-traz-uma-mensagem-de-esperanca&Itemid=183&lang=pt. Último acesso no dia 22 de junho de 2020.