A doença pulmonar obstrutiva crônica, conhecida pela sigla DPOC, tem sinais e sintomas respiratórios associados à obstrução crônica das vias aéreas inferiores, geralmente em decorrência do tabagismo¹A DPOC envolve bronquite crônica e enfisema pulmonar, os quais geralmente ocorrem de forma simultânea, com variáveis graus de comprometimento relativo em um mesmo indivíduo¹ 

 

Segundo a Organização Mundial da Saúde, a DPOC é a quarta principal causa de morte, depois de infarto do miocárdio, câncer e doença cerebrovascular¹. Entre as principais causas de morte, é a única que está aumentando, prevendo-se que se torne a terceira em 2020, devido ao aumento do tabagismo nos países em desenvolvimento e ao envelhecimento da população¹. Nos últimos 10 anos, DPOC foi a quinta maior causa de internação no Sistema Único de Saúde de pacientes com mais de 40 anos, com cerca de 200 mil hospitalizações¹. 

 

Causas 

A exposição à fumaça de combustão de lenha, a poeiras e a gases irritantes são fatores causadores da DPOC². E também, quanto maior a intensidade do tabagismo, maior a tendência ao comprometimento da função pulmonar². Aproximadamente 15% dos fumantes desenvolvem DPOC². 

 

Sintomas 

Os principais sinais e sintomas são tosse, falta de ar (dispneia)chiado produzido pelas vias respiratórias e expectoração. A DPOC está associada a um quadro inflamatório sistêmico, com manifestações como perda de peso e redução da massa muscular nas fases mais avançadas¹. 

 

A tosse é o sintoma mais encontrado, pode ser diária ou intermitente e pode preceder a falta de ar ou aparecer simultaneamente a ela². O aparecimento da tosse no fumante é tão frequente que muitos pacientes não a percebem como sintomas de doença, considerando-a como o ‘pigarro do fumante’².  

 

Diagnóstico 

Aos pacientes que apresentem sintomas suspeitos, é recomendado consultar o médico, a fim de confirmar o diagnóstico e iniciar precocemente o tratamento³. Pessoas que passaram a perder o fôlego e ficar ofegante durante a atividade física, por exemplo, ou que têm tosse repetitiva ou, ainda, com histórico de exposição à fumaça, devem fazer a espirometria, exame rápido, indolor e não invasivo³.  

 

A espirometria permite aferir os volumes e o fluxo de ar utilizados na respiração e identificando a capacidade inspiratória e expiratória do indivíduo. Deve ser realizada antes e após administração de broncodilatador, de preferência em fase estável da doença² 

 

A avaliação radiológica é uma radiografia simples de tórax nas posições póstero-anterior e perfil, não para definição da doença, mas para afastar outras doenças pulmonares, principalmente a neoplasia pulmonar². A radiografia de tórax pode ainda identificar bolhas, com possível indicação cirúrgica² 

 

Prevenção 

A melhor forma de prevenção é a cessação do tabagismo, responsável por cerca de 80% dos casos³.  

 

Tratamento 

Por ser uma doença crônica, a DPOC deve ser controlada e tratada a longo prazo, com medicações de controle, definidas pelo médico conforme a gravidade da doença. A maioria dos pacientes toma remédioscomo broncodilatadores, anti-inflamatórios e outrospara ajudar na limpeza das vias aéreas, facilitar a respiração, reduzir a inflamação ou aumentar o crescimento e a reparação tecidual³.  

 

Fontes: 
1 – Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica – Protocolo Clínico de Diretrizes Terapêuticas – Ministério da Saúde. Disponível em http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2014/abril/02/pcdt-doenca-pulmonar-obs-cronica-livro-2013.pdf. Último acesso no dia 15 de agosto de 2019.   
2 – II Consenso Brasileiro sobre Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica – DPOC  2004. Jornal Brasileiro de Pneumologia – Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia.  VOLUME 30 – SUPLEMENTO 5 – NOVEMBRO DE 2004. Disponível em http://www.jornaldepneumologia.com.br/audiencia_pdf.asp?aid2=124&nomeArquivo=Suple_124_40_DPOC_COMPLETO_FINALimpresso.pdf. Último acesso no dia 15 de agosto de 2019.   
3 – Bronquite crônica – Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia. Disponível em https://sbpt.org.br/portal/t/bronquite-cronica/. Último acesso no dia 15 de agosto de 2019.