A febre amarela é uma doença infecciosa de origem viral, transmitida pela picada de um mosquito infectado (1), das espécies Aedes, Haemogogus Sabethes (2). Um menor número de pessoas que contraem o vírus revela sintomas graves, sendo que cerca de metade delas morre em um prazo de 7 a 10 dias (3). 

O vírus tem grande presença nas zonas tropicais da África, América Central e do Sul (3). Em 2006, com o Lançamento da Iniciativa contra a Febre Amarela, foram realizadas ações de combate na África Ocidental, e foram aplicadas 105 milhões de vacinas (3).  

 

Causas 

Existem três tipos de transmissão do vírus (2): 

  • Febre amarela silvestre (ou selvática): em florestas, os macacos são os principais reservatórios do vírus, e quando picados, transmitem para outros macacos. Humanos que trabalham ou viajam pelas florestas são picados pelos mosquitos, contraindo a febre amarela; 
  • Febre amarela intermediária: mais comum na África, é transmitida por mosquitos semi-domésticos (que proliferam em matas ou nas casas), e infectam macacos e pessoas, gerando transmissões. 
  • Febre amarela urbana: quando pessoas levam o vírus para locais com alta densidade populacional e grande presença dos mosquitos, podem ocorrer surtos. Isso acontece quando estão com baixa imunidade ou sem vacinação.  

O período entre a picada e o aparecimento dos primeiros sintomas, normalmente, é de 3 a 6 dias (1). 

 

Sintomas 

Algumas pessoas podem não apresentar sintomas, mas quando aparecem, normalmente são (3): 

  • Febre; 
  • Dores musculares; 
  • Perda de apetite; 
  • Náuseas e vômitos. 

Na maioria dos casos, os sintomas aparecem após 3 ou 4 dias (3). 

Um menor número de doentes entra em uma fase mais forte após o desaparecimento dos primeiros sinais. Com isso, é possível observar (3): 

  • Febres altas; 
  • Comprometimento de órgãos como fígado e rins; 
  • Icterícia (amarelecimento da pele e dos olhos); 
  • Urina escura; 
  • Dores abdominais; 
  • Vômitos; 
  • Sangramento da boca, nariz, olhos ou estômago. 

Neste caso, 50% das pessoas que entram neste ciclo tendem a morrer entre 7 e 10 dias (3). 

 

Diagnóstico 

Ficar atento à persistência dos sintomas por mais de 7 dias, como febre acompanhada de cefaleia (dor de cabeça acima dos olhos), mal-estar, calafrios, náuseas, icterícias ou sinais hemorrágicos (2). O diagnóstico é feito com exames laboratoriais que identificam a presença do vírus no sangue, tecidos ou a presença de anticorpos (2).  

 

Prevenção 

A melhor prevenção é o controle da população dos mosquitos transmissores do vírus. Existem algumas medidas de saúde que ajudam a diminuir epidemias. São elas (3): 

  • Vacinação; 
  • Detecção imediata de surtos de febre amarela. 

 

Tratamento 

Não existe tratamento específico para a febre amarela, mas sim cuidados para evitar a desidratação, insuficiência hepática/renal, e a febre (2). No entanto, em qualquer suspeita o paciente deverá ser analisado por um médico. 

 

Fontes: 
1 – Sociedade Brasileira de Pediatria – Perguntas frequentes sobre a febre amarela. 2018. Disponível em  http://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/Febre_Amarela_Depto_Imunizacoes_SPSP-jan18.pdf  
2- CIM – Centro de Informação sobre Medicamentos. Orientações sobre a febre amarela. 2018. Disponível em http://crf-pr.org.br/uploads/revista/32168/o1lwAQiXBywlVzBOAAIduFubFtSUpJNm.pdf  
3- World Health Organization –  Febre Amarela. 2016. Disponível em http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs100/pt/