A vacina é a melhor forma de prevenção para muitas doenças graves e suas complicações. As vacinas atualmente presentes no calendário têm eficácia comprovada por estudos clínicos, são aprovadas pelos órgãos de Vigilância Sanitária (no Brasil, ANVISA), e ajudaram a erradicar doenças como poliomielite e varíola¹,². Mas como é a ação delas?

As vacinas são produzidas com o vírus ou a bactéria inativa ou com partes destes agentes, como proteínas da cápsula do vírus e, por estarem inativas, não provocam a doença, mas ainda assim, ao serem aplicadas no organismo, fazem com que o sistema imunológico seja estimulado para produzir anticorpos (proteínas que atuam como defensoras no organismo) para combatê-la. Dessa forma, o organismo cria uma imunidade e faz com que, caso a pessoa venha a ter contato com aquele agente causador da doença, tenha os anticorpos para evitar que ela fique doente¹,³.

Existem vacinas a serem tomadas durante todas as fases da vida (crianças, adolescentes, adultos, idosos e mulheres grávidas). No Brasil, o calendário de vacinação pode ser consultado por meio deste infográfico produzido pelo Ministério da Saúde (aqui). É importante ficar atento, pois algumas delas exigem mais de uma dose e até uma outra de ‘reforço’. Para os estrangeiros em viagem ao Brasil, recomenda-se que estejam vacinados para a febre amarela, sarampo, difteria, tétano e poliomielite. Para os brasileiros em viagens internacionais, é necessário consultar quais vacinas são obrigatórias no país de destino e comprovar sua imunização por meio da carteirinha de vacinação internacional.

Infelizmente existem diversas notícias falsas, as chamadas fake news, sobre as vacinas. Neste artigo, vamos esclarecer algumas³:

Como as doenças evitáveis por vacinas estão quase erradicadas, não há mais necessidade de vacinar – Pelo contrário. Justamente porque são mais raras é preciso continuar com à vacinação para evitar que elas voltem e se tornem problemas de saúde graves.

Vacinas causam autismo – Esse assunto foi levantado por conta de um estudo de 1998 relacionando algumas vacinas com o autismo. Posteriormente, foi comprovado que ele estava errado.

Vacinas têm vários efeitos colaterais ainda desconhecidos – Os efeitos colaterais geralmente não apresentam riscos e são passageiros, como um braço dolorido ou uma febre baixa.

Boa higiene e saneamento farão as doenças desaparecerem – Apenas isso não é suficiente para evitar a contaminação pela doença, embora sejam tão importantes quanto a vacina.

As vacinas contêm mercúrio, perigoso para a saúde – O conservante de algumas vacinas é o composto orgânico chamado tiomersal, que contém mercúrio, porém, a quantidade não representa nenhum risco.

 

 

Fontes:
1- Entenda a importância das vacinas na prevenção de doenças – Blog do Ministério da Saúde Brasil. Disponível em: http://www.blog.saude.gov.br/index.php/promocao-da-saude/32772-entenda-a-importancia-das-vacinas-na-prevencao-de-doencas. Último acesso em 11 de setembro de 2020.
2- A poliomielite 3 foi erradicada do mundo – Blog do Ministério da Saúde Brasil. Disponível em: http://www.blog.saude.gov.br/index.php/promocao-da-saude/54009-nossas-criancas-estao-livres-de-mais-uma-doenca-a-poliomielite-3-foi-erradicada-do-mundo. Último acesso em 11 de setembro de 2020.
3- Vacinação: quais são as vacinas, para que servem, por que vacinar, mitos – Ministério da Saúde Brasil. Disponível em: https://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/vacinacao/vacine-se#fakenews. Último acesso em 11 de setembro de 2020.