Em artigo recente explicamos que o lúpus é uma doença inflamatória autoimune que pode afetar múltiplos órgãos e tecidos e em casos graves, levar a morte (ele pode ser lido aqui)¹. Neste, vamos abordar outros aspectos dessa doença como os fatores de risco e complicações.

Não se sabe ao certo o que causa o lúpus, mas alguns fatores podem facilitar a manifestação dessa doença. No âmbito do gênero, embora possa se manifestar em ambos, a mulher apresenta mais casos do que homens e a maior parte dos diagnósticos acontecem entre os 15 e os 40 anos. No que tange as etnias, ocorre mais em pessoas afro-americanas, hispânicas e asiáticas, chegando a ser de três a quatro vezes maior em mulheres negras do que brancas1.

 

Gravidez x lúpus²

Uma mulher portadora da doença e que deseja engravidar precisa tomar alguns cuidados e geralmente dão à luz a bebês saudáveis. O melhor período para engravidar é quando a doença estiver estagnada por um tempo. O acompanhamento médico é imprescindível. Se precisar tomar alguma medicação, esta deve ser indicada por eles, para evitar qualquer complicação para o feto e depois do nascimento, durante a amamentação. Algumas recomendações importantes:

  • Evitar a exposição ao sol
  • Manter hábitos saudáveis
  • Procurar não se estressar

Existe uma pequena chance dessas mulheres abortarem ou darem a luz a um bebê prematuro ou abaixo do peso. Outro detalhe é que os bebês de mães portadores de lúpus não desenvolvem a doença². O lúpus neonatal é bastante raro e mesmo que ao nascer a criança tenha erupções na pele, problemas no fígado ou baixa contagem de células sanguíneas, esses sintomas tendem a desaparecer naturalmente após alguns meses¹.

 

Complicações¹

O lúpus pode trazer complicações graves para alguns órgãos e levar a outros problemas de saúde. A falência dos rins é uma importante preocupação e está entre as principais causas de morte, seguido dos problemas como anemia, aumento no risco de sangramento e da inflamação dos vasos. Se acometer o cérebro, pode provocar derrames cerebrais (AVC) e convulsões. No caso dos pulmões, a doença pode levar a uma inflamação dos tecidos, causando dor ao respirar e, no coração, aumentar as chances de um infarto.

Entre outras manifestações do lúpus estão a necrose avascular, que consiste na morte das celular que revestem os ossos, provocando fraturas e rompimento de articulações e infecções de trato urinário e respiratórios e o câncer, provocando o surgimento de tumores ou piorando os já existentes.

Por ser uma doença crônica, não tem cura, mas pode ser controlada com medicamentos e hábitos mais saudáveis. Embora necessite de um acompanhamento médico contínuo, é possível conviver com a doença com qualidade de vida³.

 

 

 

 

Fontes:
1- Lúpus: causas, sintomas, diagnóstico, tratamento e prevenção – Ministério da Saúde Brasil. Disponível em: https://saude.gov.br/saude-de-a-z/lupus. Último acesso em 27 de julho de 2020.
2- Lupus na gravidez – Revista Crescer. Disponível em: https://revistacrescer.globo.com/Gravidez/Saude/noticia/2013/06/lupus-na-gravidez.html. Último acesso em 27 de julho de 2020.
3- Lúpus: 9 perguntas e respostas sobre a doença – Revista Veja Saúde. Disponível em: https://saude.abril.com.br/medicina/lupus-9-perguntas-e-respostas-sobre-a-doenca/. Último acesso em 27 de julho de 2020.