A campanha Novembro Azul acontece no Brasil e é promovida pelo Instituto Lado a Lado Pela Vida em parceria com a Sociedade Brasileira de Urologia (1). Anualmente, ela busca alertar a população sobre o câncer de próstata e estimular o combate e prevenção da doença (1).

Em 2017, cerca de 60 mil casos foram diagnosticados no país (2). Esse é o segundo tipo de câncer mais comum entre os homens, perdendo apenas para o câncer de pele não melanoma (2). A estimativa de novos casos neste ano é de 68.220 (3). Estatísticas mostram que a cada 100 mil indivíduos, 70,54 desenvolvem o câncer de próstata (1). Em 2013 foi a segunda causa de mortalidade por neoplasia no sexo masculino, com 14,06 óbitos por cem mil homens (1).

A doença ocorre com o desenvolvimento de um tumor na região, uma glândula no sistema reprodutor masculino (2). Na maioria dos casos, ele cresce de forma lenta e não chega a dar sinais durante a vida e nem a ameaçar a saúde do homem; em outros casos, pode crescer rapidamente, espalhar-se para outros órgãos e até mesmo causar a morte (2).

Ainda não são conhecidos todos os fatores que levam à doença (2). A idade é um fato de risco bem estabelecido: cerca de 62% dos casos diagnosticados no mundo ocorreram em homens com 65 anos ou mais (1). Outros fatores de risco são:

  • Histórico familiar (1);
  • Pele negra (1);
  • Alimentação inadequada (3);
  • Tabagismo (3);
  • Alcoolismo (3);
  • Sedentarismo (3);
  • Obesidade (2).

Na fase inicial ele tem evolução silenciosa: muitos pacientes não apresentam nenhum sintoma, ou, quando sentem, são semelhantes aos do crescimento benigno da próstata (dificuldade de urinar, necessidade de urinar mais vezes) (3). Na fase avançada, pode provocar dor nos ossos, sintomas urinários, ou, quando mais grave, infecção generalizada ou insuficiência renal (3).

Para conscientizar sobre os perigos da doença e alertar sobre a necessidade de prevenção e diagnóstico, a campanha Novembro Azul é um período repleto de ações contra a doença (1). O mês serve para alertar os homens sobre os exames para identificar a neoplasia: o toque retal e o exame de sangue que mede a quantidade de proteína produzida pela próstata (1).

O toque retal identifica o tamanho, forma e textura da próstata, o qual se analisa também as partes posterior e lateral (1). Já o exame de sangue consegue identificar níveis altos de proteína que podem significar câncer, mas também outras doenças benignas da próstata (1).

Algumas dicas importantes (2):

  • Quem tem pai ou irmão com câncer de próstata deve realizar os exames preventivos (toque retal e PSA – antígeno prostático específico) a partir dos 40 anos de idade;
  • Quem não tem histórico familiar de câncer de próstata deve realizar os exames preventivos a partir dos 50 anos de idade;
  • Afrodescendentes precisam iniciar a investigação aos 45 anos, pois têm quase duas vezes mais chances de desenvolver a doença que os homens brancos;
  • Quando descoberto na fase inicial, o câncer de próstata tem 90% de chance de cura.

Caso a doença seja comprovada, o médico identifica o melhor tratamento para cada caso, levando em conta histórico, sintomas e gravidade da doença. Entre as indicações estão a radioterapia, cirurgia, quimioterapia e até mesmo tratamento hormonal (1).

Alguns links úteis para tirar dúvidas e coletar informações:

Fontes:

1- MODESTO, Antônio Augusto Dall’Agnol. Um novembro não tão azul: debatendo rastreamento de câncer de próstata e saúde do homem. 2017. Disponível em https://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S1414-32832017005004102&script=sci_arttext&tlng=pt
2- Governo do Brasil – Saúde do homem: como se prevenir contra o câncer de próstata. 2017. Disponível em http://www.brasil.gov.br/noticias/saude/2017/11/saude-do-homem-saiba-como-se-prevenir-contra-o-cancer-de-prostata
3- INCA – Instituto Nacional de Câncer. Próstata. Disponível em http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/prostata/definicao