Epilepsia é uma doença neurológica que pode levar a complicações graves, mas pode ser prevenida e controlada¹. A epilepsia tem levado a um grande estigma social, embora seja uma doença que atinge 70 milhões de pessoas no mundo, sendo 80% destas pertencentes aos países de média e baixa renda. Atinge crianças até um ano e adultos após 50 anos².

As crises epilépticas causadas por alteração transitória das atividades neuronais podem se manifestar de formas diferentes, sendo a mais comum a convulsão. As outras crises, agrupadas como não convulsivas, podem ter apresentações como: alteração sensorial (sentir cheiro, ver luzes), de percepção (sensação de ter visto, sentimento de medo) e comportamentais (ficar parado “ausente”, mexer as mãos sem um propósito). É importante reforçar que o não tratamento pode levar ao risco de morte súbita e a traumatismos¹.

Ainda não se sabe completamente o que causa a epilepsia, porém, pode ter origem de ferimentos sofridos na cabeça, recentes ou não, traumas na hora do parto, abusos de álcool e drogas, tumores e outras doenças neurológicas. O tratamento pode ser feito através de medicação. As drogas antiepilépticas são eficazes na maioria dos casos, e os efeitos colaterais têm diminuído. Muitas pessoas com esta doença levam uma vida normal, inclusive destacando-se na sua carreira profissional³.

 

O que fazer se você presenciar uma pessoa tendo uma crise de epilepsia?4

Algumas recomendações são:

  • Mova a pessoa para longe de qualquer coisa/lugar que possa machucá-la;
  • Proteja a cabeça do indivíduo com uma almofada, por exemplo, caso esteja no chão;
  • Desamarre ou tire qualquer roupa ou objeto apertado que esteja ao redor do pescoço (colar, gravata), para auxiliar na respiração;
  • Quando terminar a crise convulsiva, vire-o para que fique deitado de lado;
  • Fique ao lado dele e converse calmamente até que ele se recupere;
  • Não tente segurar uma pessoa em crise;
  • Não coloque nada em sua boca.

 

Geralmente não é necessário buscar ajuda médica. No entanto, se apresentar as seguintes situações deve chamar um serviço médico de urgência:

  • Crise persistente por mais de 5 minutos;
  • Crises seguidas sem recuperação da consciência;
  • Primeiro episódio de crise epiléptica;
  • Caso a pessoa tenha se machucado durante a crise.

 

Fontes:
1- Avaliação e Conduta da Epilepsia na Atenção Básica e na Urgência e Emergência – Ministério da Saúde. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/avaliacao_conduta_epilepsia_atencao_basica.pdf. Último acesso em 10 de maio de 2020.
2- Epilepsia: conheça a doença que atinge 70 milhões no mundo – Portal Pebmed. Disponível em: https://pebmed.com.br/epilepsia-conheca-a-doenca-que-atinge-70-milhoes-no-mundo-purple-day/. Último acesso em 10 de maio de 2020.
3- Tudo sobre Epilepsia – Liga Brasileira de Epilepsia. Disponível em: http://epilepsia.org.br/o-que-e-epilepsia/. Último acesso em 10 de maio de 2020.
4- O que é uma crise epiléptica? O que fazer na presença de um indivíduo que apresenta uma crise epiléptica? – BVS Atenção Primária em Saúde. Disponível em: https://aps.bvs.br/aps/o-que-e-uma-crise-epileptica-o-que-fazer-na-presenca-de-um-individuo-que-apresenta-uma-crise-epileptica/. Último acesso em 10 de maio de 2020.