A obesidadeé caracterizada pelo acúmulo excessivo degordura corporal no indivíduo¹ A obesidade é fator de risco para uma série de doenças¹. O obesotem mais propensão a desenvolver problemas como hipertensão, doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, entre outras¹. São muitas as causas da obesidade¹. O excesso de peso pode estar ligado ao patrimônio genético da pessoa, a maus hábitos alimentares ou, por exemplo, a disfunções endócrinas¹. Por isso, na hora de pensar em emagrecer, procure um especialista¹. 

 

Causas 

As pessoas engordam por quatro motivos: comem muito, têm gasto calórico diminuído, acumulam gorduras mais facilmente ou têm mais dificuldade de queimá-las². O gasto calórico significa a queima de energia que uma pessoa apresenta durante as 24 horas do dia e isso inclui o gasto calórico com a alimentação (energia gasta nos processos de digestão, absorção e transporte de nutrientes) e com a atividade física². 

 

A capacidade de transformar calorias em gorduras varia de indivíduo para indivíduo e isso explica por que duas pessoas com o mesmo peso e altura, que comem os mesmos alimentos, podem fazer gordura com menor ou maior eficiência e esta última é que tenderá a ser gorda². A habilidade de queimar gorduras também varia de pessoa para pessoa. Podemos queimar as calorias do nosso organismo a partir das gorduras do tecido adiposo, das proteínas dos músculos e do glicogênio do fígado, entre outros². O indivíduo apresentará menor tendência de engordar e maior capacidade de emagrecer quanto maior for a sua capacidade de queimar as gorduras². Todas essas condições ocorrem não apenas por mecanismos orgânicos, mas, em especial, por fatores genéticos². 

 

Consequências 

Diversos estudos da doença e condições clínicas estão associados à obesidade. Alguns exemplos são² 

  • Apnéia do sono 
  • Acidente vascular cerebral, conhecido popularmente como derrame cerebral. 
  • Fertilidade reduzida em homens e mulheres.  
  • Hipertensão arterial ou pressão alta 
  • Diabetes melito.  
  • Dislipidemias. 
  • Doenças cardiovasculares.  
  • Cálculo biliar.  
  • Aterosclerose.  
  • Vários tipos de câncer, como o de mama, útero, próstata e intestino. 
  • Doenças pulmonares.  
  • Problemas ortopédicos. 
  • Gota  

 

Os prejuízos que o excesso de peso pode causar ao indivíduo são muitos e envolvem desde distúrbios não fatais, embora comprometam seriamente a qualidade de vida, até o risco de morte prematura². Os dados existentes são alarmantes: estima-se que mais de 80 mil mortes ocorridas no país poderiam ter sido evitadas se tais pessoas não fossem obesas.2 

 

Algumas curiosidades 

A obesidade é diagnosticada através do cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC). Ele é feito da seguinte forma: divide-se o peso (em Kg) do paciente pela sua altura (em metros) elevada ao quadrado. De acordo com o padrão utilizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), quando o resultado fica entre 18,5 e 24,9 kg/m2, o peso é considerado normal. Entre 25,0 e 29,9 kg/m2, sobrepeso, e acima deste valor, a pessoa é considerada obesa³. 

 

Conforme a magnitude do excesso de peso pode-se, de acordo com o IMC, classificar o grau de obesidade do paciente em: obesidade leve (classe 1 – IMC 30 a 34,9 kg/m2), moderada (classe 2 – IMC 35 a 39,9 kg/m2) e grave ou mórbida (classe 3 – IMC ≥ 40 kg/m2). Essa classificação é importante na escolha do tipo de tratamento, quando deve ser clínico ou cirúrgico³. 

 

A obesidade pode, também, mexer com fatores psicológicos, acarretando diminuição da autoestima e depressão³. 

 

A Lei 11.721/2008 determina que o 11 de outubro é Dia Nacional de Prevenção da Obesidade³. A data havia sido criada, há cerca de dez anos, pela Federação Latino-Americana de Obesidade, porém reconhecida, em 1999, pelo Governo Federal e instituída no Brasil, na época, com o nome de Dia Nacional de Combate à Obesidade³. A World Obesity também adota o dia 11 de outubro como o dia mundial da obesidade³. 

 

Está comprovado que relacionamentos sociais e romances são menos frequentes entre obesos, já que eles saem menos de casa devido à diminuição da autoestima³. Agora, uma vez existindo o relacionamento, a obesidade pode interferir no relacionamento sexual. Ela está relacionada à redução da testosterona, o que pode levar a redução de libido e a problemas de ereção nos homens³. Já nas mulheres, existe uma redução dos níveis de hormônio feminino e aumento no nível dos masculinizantes³. As mulheres podem apresentar aumento de pelos, irregularidade menstrual e infertilidade³ 

 

Prevenção 

A prevenção contra a obesidade passa pela conscientização da importância da atividade física e da alimentação adequada³. O estilo de vida sedentário, as refeições com poucos vegetais e frutas, além do excesso de alimentos ricos em gordura e açúcar precipitam o aumento do número pessoas obesas, em todas as faixas etárias, inclusive crianças³. 

 

Fontes: 
 Obesidade – Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Disponível em https://www.endocrino.org.br/obesidade/. Último acesso no dia 10 de abril de 2019. 
 Obesidade e Desnutrição – Ministério da Saúde. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/obesidade_desnutricao.pdfÚltimo acesso no dia 10 de abril de 2019. 
3 – 10 Coisas de que você precisa saber sobre a obesidade – Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Disponível em https://www.endocrino.org.br/10-coisas-que-voce-precisa-saber-sobre-obesidade/Último acesso no dia 10 de abril de 2019.