Neste texto continuaremos abordando a menopausa (você pode ler o primeiro artigo aqui), mas desta vez sob a visão do manejo dos sintomas. Entre as ferramentas disponíveis, há inicialmente bons hábitos de alimentação e a prática de exercício físico. Em seguida, o uso de medicamentos, como por exemplo, a terapia de reposição hormonal¹.

Com a chegada da menopausa, a produção de hormônios (como estrogênio e progesterona, por exemplo) pelos ovários diminui drasticamente, levando aos sintomas característicos deste período: físicos (fogachos), psíquicos (depressão, irritabilidade), genitais – como a secura vaginal e a incontinência urinária, e a osteoporose. A terapia hormonal nada mais é que medicamentos contendo esses hormônios (isolados ou combinados) para evitar esses sintomas e impedir que eles piorem. É importante reforçar que, como todo medicamento, existem contraindicações que precisam ser avaliadas pelo médico. As principais são o risco de doenças cardiovasculares, trombose, câncer de mama e de endométrio, distúrbios hepáticos e sangramento vaginal de origem desconhecida³.

A reposição hormonal é indicada quando os sintomas da menopausa causam sofrimento ou disfunção para a mulher. Se há contraindicações, ela não deve ser administrada, sendo substituída por outros medicamentos, como antidepressivos, vitaminas, medicamentos para osteoporose, etc².   Essa avaliação sempre deve ser feita pelo médico. A automedicação não é aconselhada, já que o uso desnecessário de hormônios para reposição pode provocar danos para a saúde. Ela também é contraindicada para quem tem obesidade, pressão alta, diabetes ou predisposição para câncer de mama¹.

Os hormônios destinados a terapia hormonal na menopausa podem ter apresentações orais, transdermicas (na forma de adesivo ou gel), vaginais (na forma de creme ou gel), implantes subdérmicos e, raramente, intramuscular². O importante é a mulher continuar as consultas de rotina com seu ginecologista e sempre que houver sintomas, dividir com ele as queixas e, juntos decidirem a melhor terapia.

 

Fontes:
1- Conheça mitos e verdades sobre a menopausa – Ministério da Saúde. Disponível em http://www.blog.saude.gov.br/index.php/53450-conheca-mitos-e-verdades-sobre-a-menopausa. Último acesso em 14 de julho de 2020.
2- Manual de Orientação Climatério – Febrasgo. Disponível em https://www.febrasgo.org.br/images/arquivos/manuais/Manuais_Novos/Manual_Climaterio.pdf. Último acesso em 14 de julho de 2020.
3- Menopausa e climatério – Portal Drauzio Varella. Disponível em https://drauziovarella.uol.com.br/doencas-e-sintomas/menopausa-e-climaterio/. Último acesso em 28 de junho de 2020.