A infecção urinária, também conhecida como infecção do trato urinário, é causada por bactérias que migram para a bexiga e para os rins de uma pessoa. Essas bactérias são comuns nas regiões genital e anal. Apesar de muito mais frequente em mulheres, por uma razão anatômica, a infecção urinária também acomete o homem, principalmente se alguma doença de próstata estiver correlacionada¹,².

Alguns fatores de risco estão associados com a infecção urinária: morbidades como diabetes, menopausa, pacientes com histórico de cálculo renal, alterações na próstata, histórico de procedimentos urológicos e uso recente de sonda vesical². Há também maior ou menor susceptibilidade a infecções de acordo com cada indivíduo, em especial as mulheres, relacionadas a microbiota da vagina, uso frequente de antibióticos, características genéticas, tamanho da uretra, entre outros3,4.

Quando as bactérias afetam apenas a bexiga, a infecção leva o nome de cistite. Neste caso, os principais sintomas são dor ao urinar e na parte inferior do abdômen e urgência miccional (aumento da frequência de idas ao banheiro para fazer xixi). Se a infecção evoluir afetando também os rins (pielonefrite), a tendência é o agravamento do quadro. Neste caso, os sintomas são acompanhados de febre alta, calafrios e dor lombar¹.

Ao perceber os sinais é importante procurar ajuda médica, já que a automedicação, sem conhecimento de qual bactéria pode ter causado a infecção, pode ser prejudicial¹. Por meio de exames de  urina, dentre eles a urocultura (exame definidor do diagnóstico) e antibiograma, o profissional saberá qual é a bactéria que provocou a infecção e qual o antibiótico receitar. Nos casos de pielonefrite, o médico também pode solicitar um exame de imagem, como uma tomografia, um ultrassom ou uma ressonância magnética².

É possível tomar alguns cuidados preventivos para evitar a infecção urinária que valem tanto para homens, quanto para as mulheres1,2:

  • Evite usar duchas vaginais;
  • Quando usar o banheiro, limpe a região no sentido frente para trás;
  • Lave bem as mãos após usar o banheiro;
  • Beba muita água diariamente;
  • Vá ao banheiro sempre que tiver vontade. Não segure a urina.

Nesses dois últimos casos, com a ingestão de mais água e a ida ao banheiro com mais frequência, evita-se que a bactéria permaneça do organismo. Outra dica importante: procure urinar após ter relação sexual, pois o xixi pode ajudar a eliminar as possíveis bactérias que entraram durante o ato¹.

 

 

Fontes:
1- Infecção Urinária: Tratamento, sintomas e fatores de risco – Ministério da Saúde. Disponível em: http://www.blog.saude.gov.br/index.php/promocao-da-saude/51735-infeccao-urinaria-tratamento-e-fatores-de-risco. Último acesso em 10 de agosto de 2020.
2- Infecção urinária. Sociedade Brasileira de Nefrologia. Disponível em: https://www.sbn.org.br/orientacoes-e-tratamentos/doencas-comuns/infeccao-urinaria/. Último acesso em 10 de agosto de 2020.
3- Heilberg IP ET Al. Abordagem Diagnóstica e Terapêutica na Infecção do Trato Urinário – ITU. Rev Assoc Med Bras 2003; 49(1): 109-16.
4- Cabeço ALB, Colombo TE. Bactérias causadoras de infecções urinárias e seu perfil de resistência aos antimicrobianos.  Health Sci Inst. 2019;37(2):113-8