Varizes são veias superficiais dilatadas e tortuosas (retorcidas) que perderam sua principal função de retorno venoso do sangue dos membros inferiores em direção ao coração (1). 

A prevalência delas é bem alta: atinge entre 40% e 70% das pessoas (1). É menos comum em africanos e afrodescendentes e predomina no sexo feminino, sendo mais comum com o avanço da idade (1).  

Elas podem ser classificadas em três tipos (1): 

  • Veias varicosas: sobressaem na pele e ficam protuberantes, tem diâmetro maior que 3mm e acometem os troncos das veias safenas e as colaterais; 
  • Veias reticulares: variam entre 1mm e 3mm de diâmetro e não possuem relação direta com os troncos principais; 
  • Veias telangectasias: são os “vasinhos”, e o diâmetro não passa de 1mm. 

 

Causas 

Elas se formam pelo enfraquecimento e desgaste das válvulas das veias das pernas (2). Normalmente o sangue circula da veia superficial (visível) par a profunda (que fica invisível na musculatura) e as pessoas com varizes tem uma inversão no caminho do sangue (2). O aumento do volume de dilatação causa a complicação (2).  

 

Sintomas 

Os sintomas são relacionados à doença varicosa (1): 

  • Sensação de peso; 
  • Cansaço; 
  • Inchação; 
  • Queimação; 
  • Pontadas; 
  • Dor; 
  • Formigamento; 
  • Prurido; 
  • Pernas inquietas. 

Quando em repouso, eles melhoram ou desaparecem, e voltam a persistir durante as atividades de rotina e com o passar das horas, tornando-se intensos no final da tarde e à noite (1). É possível aliviá-los elevando os membros inferiores (1). 

Diagnóstico 

O diagnóstico pode ser feito apenas com a observação clínica (inspeção) e com anamnese (entrevista médica) (1). O paciente é observado em pé durante alguns minutos (1). Além disso, existe o ecodoppler venoso dos membros inferiores, que define pontos de refluxo e insuficiência venosa no sistema superficial (1). 

 

Prevenção 

Existem fatores de risco para o desenvolvimento de varizes. Entre eles (2): 

  • Hereditariedade; 
  • Gravidez; 
  • Hormônios (anticoncepcionais e/ou reposição hormonal para menopausa); 
  • Ficar muito tempo em pé ou parado. 

Também é possível seguir algumas dicas para evitar as varizes (3): 

  • Evitar ganho excessivo de peso; 
  • Dieta rica em fibras para evitar a constipação intestinal; 
  • Não permanecer muito tempo em pé ou parado; 
  • Não usar cintas abdominais apertadas; 
  • Realizar caminhadas e/ou exercícios físicos; 
  • Evitar o tabagismo; 
  • Utilizar meias elásticas, principalmente durante a gravidez; 
  • Evitar hormônios anticoncepcionais; 
  • Consultar regularmente o médico. 

 

Tratamento 

Dependendo da análise clínica e nos resultados dos exames complementares, o médico especialista vai optar pelo melhor tratamento em cada caso.  

Entre as opções, estão (1): 

  • Escleroterapia – injeção de esclerosantes ao endotélio venoso; 
  • Cirurgia para remoção das veias dilatadas; 
  • Uso de medicamentos; 
  • Uso de compressão elástica. 

 

Fontes: 
1 – Sistema Universidade Aberta do SUS – UNA-SUS. JR, Newton Barros. Varizes – Caso Complexo 6  
https://www.unasus.unifesp.br/biblioteca_virtual/esf/1/casos_complexos/Dona_Margarida/Complexo_06_Margarida_Varizes.pdf 
2- Instituto da Circulação – Varizes. 2012. Disponível em http://institutodacirculacao.com.br/artigos/varizes-sintomas-tratamento-dor-nas-pernas-curitiba  
3- Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular – SBACV. Varizes. Disponível em http://www.sbacv.com.br/artigos/medicos/varizes