A depressão é um dos transtornos mentais mais frequentes da atualidade. A OMS estima que cerca de 350 milhões de pessoas ao redor do mundo sofram com o problema, em todas as faixas etárias (2). 

 

Entre os adolescentes, o suicídio é a terceira maior causa evitável de morte3. Os sintomas depressivos têm sido reconhecidos como um dos antecedentes entre jovens suicidas (4). Nessa população de adolescentes, o suicídio é a terceira maior causa evitável de morte, o que demonstra a gravidade da doença e as trágicas consequências que ela pode causar. 

Marcada por várias mudanças físicas, psicológicas e sociais, a adolescência é uma fase vulnerável ao desenvolvimento de transtornos mentais (5). Abaixo, listamos alguns exemplos dessas alterações (1): 

 

  • No campo biológico, as mudanças hormonais e físicas podem gerar inquietações, dúvidas e insegurança.  
  • No âmbito social, as novas relações incentivam os jovens a saírem de suas zonas de conforto, influenciando seu estado emocional. Também há aumento nas responsabilidades e, consequentemente, cobranças nesse sentido.  
  • Entre os fatores psicológicos, podemos destacar a formação da própria individualidade, através do desenvolvimento do autoconceito, autoestima e conceitos mais complexos, além da aprendizagem de normas e conceitos sociais e morais. 

 

Nesta fase da vida, os sintomas depressivos costumam ter forte relação com problemas no ambiente familiar (6) como, por exemplo, violência doméstica (1)falta de diálogo entre pais e filhos, casos de adultério entre os pais (ocasionando discussões e até divórcios), dificuldades financeiras e alcoolismo por parte dos pais (6) 

 

Isso porque a família tem (ou deveria ter) um papel de “amortecedor” para os eventos geradores de estresse enfrentados pelos jovens no cotidiano (1). Assim, manifestações de carinho, atenção, diálogo e proximidade afetiva5 são algumas das formas de assistência1 que a família deve prestar tanto na prevenção quanto no tratamento da depressão em adolescentes. 

 

Por isso, é muito importante que os projetos para prevenção da depressão em adolescentes desenvolvidos por médicos e autoridades na área de saúde utilizem as famílias dos pacientes como aliadas1. A conscientização e empenho familiares são essenciais nesta luta.

 

Fontes:
1.BAPTISTA,Makilim Nunes; BAPTISTA, Adriana Said Daher; DIAS, Rosana Righetto. Estrutura e suporte familiar como fatores de risco na depressão de adolescentes. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 21, n. 2, p. 52-61, jun. 2001. Disponível em:  
<http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932001000200007&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 30 de agosto de 2018. 
 2.OPAS/OMS.Depressão é tema de campanha da OMS para o Dia Mundial da Saúde de 2017Disponível em: 
<https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5321:depressao-e-tema-de-campanha-da-oms-para-o-dia-mundial-da-saude-de-2017&Itemid=839>. Acesso em 29 de agosto de 2018. 
 3.OPAS/OMS.Mais de 1,2 milhão de adolescentes morrem por causas evitáveis a cada anoDisponível em: 
<https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5417:mais-de-12-milhao-de-adolescentes-morrem-por-causas-evitaveis-a-cada-ano&Itemid=820>. Acesso em 29 de agosto de 2018. 
 4. Mentalhealth. PREVENÇÃO DO SUICÍDIO: Manual para Professores e EducadoresDisponível em: 
<http://www.who.int/mental_health/prevention/suicide/en/suicideprev_educ_port.pdf>. Acesso em 29 de agosto de 2018. 
 5.BAPTISTA,Makilim ; OLIVEIRA, Andréia A. Sintomatologia de depressão e suporte familiar em adolescentes: um estudo de correlação. Journal of Human Growth and Development, São Paulo, v. 14, n. 3, dec. 2004. ISSN 2175-3598. Disponível em: <http://www.journals.usp.br/jhgd/article/view/40168/43034>. Acesso em 29 de agosto de 2018. 
 6.Thais Araújo Aragão; Maria da Penha de Lima Coutinho;Ludgleydson Fernandes de Araújo; Alessandra Ramos Castanha. Uma perspectiva psicossocial da sintomatologia depressiva na adolescência. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232009000200009&lng=pt&tlng=pt>. Acesso em 31 de agosto de 2018.