A hipertensão é uma condição clínica séria e que pode aumentar o risco de doenças cardíacas, cerebrais, renais, entre outras. É uma das principais causas de morte prematura em todo o mundo. Estima-se que um em cada quatro homens e uma em cada cinco mulheres tem a doença, algo em torno de 1,13 bilhões de pessoas no mundo todo¹.

Conhecida também como pressão arterial elevada ou alta, consiste em uma condição na qual a pressão dos vasos sanguíneos aumenta persistentemente. Para entender: o sangue é transportado do coração para todas as partes do corpo por meio dos vasos sanguíneos. Cada vez que o coração bate, ele bombeia o sangue para esses vasos. A pressão alta faz com que o coração tenha que exercer um esforço maior do que o normal para conseguir com que o sangue seja distribuído corretamente no corpo¹.

A hipertensão é chamada de “assassino silencioso”, já que a maioria das pessoas doentes não tem conhecimento do problema, pois pode não ter sinais ou sintomas de alerta. Por esse motivo, é essencial que a pressão arterial seja medida regularmente.  Quando os sintomas ocorrem, eles podem incluir dores de cabeça no início da manhã, sangramentos nasais, ritmos cardíacos irregulares, alterações na visão e zumbidos nos ouvidos. A hipertensão grave pode causar fadiga, náusea, vômito, confusão, ansiedade, dor no peito e tremores musculares¹,². Se não tratada, a hipertensão pode causar dor persistente no peito, ataques cardíacos, insuficiência cardíaca e batimentos cardíacos irregulares, que podem levar a uma morte súbita¹.

A hipertensão também pode causar infartos ou derrames ao bloquear artérias que fornecem sangue e oxigênio ao coração e cérebro, respectivamente, além de danos nos rins, que podem levar à insuficiência renal¹.

 

Indicativos

Existem condições de risco como histórico familiar de hipertensão, idade acima de 65 anos, doenças coexistentes, como diabetes ou doença renal¹ e há alguns fatores que influenciam nos níveis de pressão arterial. São eles²:

  • Fumo e consumo de bebidas alcoólicas;
  • Obesidade;
  • Estresse;
  • Elevado consumo de sal;
  • Níveis altos de colesterol;
  • Falta de atividade física.

 

A hipertensão não tem cura, mas tem tratamento e pode ser controlada. Somente o médico poderá determinar o melhor método para cada paciente¹. Além dos medicamentos disponíveis no mercado, alguns cuidados podem ser tomados, principalmente o de ter uma vida mais saudável¹,²:

  • Não fume e modere o consumo de bebidas alcoólicas;
  • Tenha uma alimentação nutritiva (evite alimentos gordurosos e excesso de sal);
  • Pratique exercícios físicos regularmente;
  • Gerencie o estresse mental, aproveitando mais os momentos de lazer.

 

Fontes:
1 – HYPERTENSION – World Health Organization (OMS). Disponível em https://www.who.int/health-topics/hypertension. Último acesso em 16 de abril de 2020.
2 – HIPERTENSÃO (PRESSÃO ALTA): O QUE É, CAUSAS, SINTOMAS, DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E PREVENÇÃO – Ministério da Saúde Brasil. Disponível em https://saude.gov.br/saude-de-a-z/hipertensao. Último acesso em 16 de abril de 2020.