A epilepsia é uma doença cerebral crônica causada por diversas causas e caracterizada pela recorrência de crises epilépticas não provocadas. Esta condição tem consequências neurobiológicas, cognitivas, psicológicas e sociais e prejudica diretamente a qualidade de vida do indivíduo afetado¹. 

As crises podem se manifestar com alterações da consciência ou eventos motores, sensitivos/sensoriais, autonômicos (por exemplo: suor excessivo, queda de pressão) ou psíquicos involuntáriospercebidos pelo paciente ou por outra pessoa². 

A convulsão caracteriza episódio de contração muscular excessiva ou anormal, usualmente bilateral, que pode ser sustentada ou interrompida. Nem toda convulsão é uma crise epilética² 

Na crise epiléptica existe abalo motor. Para considerar que uma pessoa tem epilepsia ela deverá ter repetição de suas crises epilépticas, portanto, a pessoa poderá ter uma crise epiléptica (convulsiva ou não) e não ter o diagnóstico de epilepsia². 

A convulsão é apenas um tipo de ataque epilético². A convulsão é aquele tipo mais intenso, no qual a pessoa perde os sentidos e se debate, podendo morder a língua e urinar na roupa². No entanto, existem crises mais fracas, caracterizadas por breves desligamentos, formigamentos ou contrações restritas a alguns grupos musculares². Se ocorrerem de maneira recorrente, configuram epilepsia². 

Se a crise durar menos de cinco minutos e você souber que a pessoa é epiléptica, acomode-a, afrouxe suas roupas (gravatas, botões apertados), coloque um travesseiro sob sua cabeça e espere o episódio passar³. Mulheres grávidas e diabéticos merecem maiores cuidados³. Depois da crise, lembre-se que a pessoa pode ficar confusa: acalme-a ou leve-a para casa³. 

Segundo a OMS – Organização Mundial de Saúde -, cerca de 5% da população terá ao menos uma crise epilética na vida. Sendo que, no Brasil, grande parte dos pacientes ainda não tem um controle adequado das crises, tanto pelo despreparo dos profissionais da área da saúde como por desinformação da população² 

  

Fontes: 
1- Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas – Ministério da Saúde. Disponível em http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2016/fevereiro/04/Epilepsia—PCDT-Formatado–.pdfÚltimo acesso em 09 de março de 2020.  
2 – Mitos e Verdades de Epilepsia – Liga Brasileira de Epilepsia. Disponível em http://epilepsia.org.br/mitos-e-verdades-de-epilepsia/. Último acesso em 09 de março de 2020.  
3 – O que é Epilepsia – Liga Brasileira de Epilepsia. Disponível em http://epilepsia.org.br/o-que-e-epilepsia/Último acesso em 09 de março de 2020.