Em geral, quando falamos de gastrite, as pessoas costumam usar o termo para se referir apenas a algumas dores e desconfortos no estômago¹. Mas a gastrite é uma doença inflamatória importante da mucosa gástrica, que pode ocorrer com ou sem sintomas¹ 

 

A gastrite pode ser aguda ou crônica¹. A primeira aparece de repente, evolui rapidamente e está relacionada a uma causa específica¹. Neste caso, os sintomas são mais fortes, por isso, o diagnóstico pode ser feito com facilidade em cima do relato do paciente e do histórico de saúde¹ 

 

As principais causas da gastrite aguda são o uso frequente de anti-inflamatórios não esteroides, aspirinas, álcool, ingestão de alimentos infectados e até estresse¹. A pessoa sente dor no estômago, azia, enjoos e vômitos que, em casos mais graves, pode ter sangramento, assim como as fezes¹. A versão crônica da doença, por vezes, pode não apresentar nenhum sintoma, logo, seu diagnóstico depende de exames específicos¹. O principal é a endoscopia, que possibilita ver o estado da mucosa, junto com a análise microscópica de fragmentos do tecido retirados durante o exame¹. O refluxo da bile do duodeno para o estômago também pode originar a inflamação¹. 

 

Orientação nutricional para Gastrite 

 

Algumas orientações nutricionais se fazem necessárias para evitar a Gastrite. Veja abaixo:

 

Prefira³  

  • Realizar até seis refeições por dia (café da manhã, lanche da manhã, almoço, lanche da tarde, jantar e lanche da noite). Mastigar bem os alimentos;
  • Carnes magras: brancas (filé de peixe ou frango sem pele) ou vermelhas (patinho, coxão mole, lombo de porco sem gorduras);
  • Leite e iogurte desnatado, queijos brancos (frescal, ricota), requeijão light. Faça um consumo com moderação, sem a intenção de aliviar a dor;
  • Alimentos cozidos, a vapor, assados ou grelhados;
  • Temperos frescos (manjericão, alecrim, hortelã, cebola, salsinha);
  • Sucos de frutas (de acordo com a tolerância), água, chás (erva doce, camomila, cidreira, hortelã, maçã) entre as refeições;
  • Frutas com casca e bagaço (sempre que possível), verduras (principalmente as verde-escuras) e legumes;
  • Pães, torradas, bolachas com pouca gordura (água e sal, maisena). 

 

Evite³ 

  • Ficar sem se alimentar por longos períodos, pular refeições, comer rapidamente, refeições gordurosas próximas ao horário de dormir; 
  • Carnes gordurosas (cupim, costelas, picanha, leitoa, pernil, torresmo, bacon), embutidos (linguiça, salsicha, mortadela, salame, hambúrguer, nuggets); 
  • Leite, iogurte e requeijão integral, queijos como mussarela, provolone, prato, parmesão);
  • Alimentos gordurosos à milanesa, fritos, empanados, preparações como feijoada, mocotó e dobradinha;
  • Condimentos (pimentas, temperos prontos, caldos de carne, realçador de sabor, molho inglês, molho de pimenta, shoyu, páprica, noz moscada, canela), mostarda, catchup e conservas;
  • Bebidas alcoólicas, refrigerantes, bebidas gasosas, café, chás (preto, verde, mate), ingerir líquidos nas refeições;
  • Doces em calda, chocolates, goiabadas, cocada, leite condensado, creme de leite;
  • Bolachas e bolos recheados. 

 

Retire da sua alimentação os alimentos que não lhe forem toleráveis. Use sal com moderação. E pratique atividade física orientada regularmente, pois auxilia na manutenção do peso adequado, no combate ao estresse e melhora a qualidade de vida. 

 

Fontes: 
2 – Fatores associados com a gastrite crônica em pacientes com presença ou ausência do Helicobacter Pylori – ScieloDisponível em http://www.scielo.br/pdf/abcd/v25n2/07.pdfÚltimo acesso no dia 19 de junho de 2019.  
1  Dor no estômago é sinal de gastrite? Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/sus/pdf/agosto/dor_estomago_sinal_gastrite_1808.pdfÚltimo acesso no dia 19 de junho de 2019. 
3– Orientação nutricional para Gastrite. Disponível em http://www.saude.campinas.sp.gov.br/saude/especialidades/nutricao/Orientacao_nutricional_para_Gastrite_FO1227.pdfÚltimo acesso no dia 31 de março de 2019.