O “junho laranja” é dedicado ao diagnóstico, prevenção e tratamento da anemia, uma condição representada pela diminuição dos glóbulos vermelhos no sangue ou pela concentração de hemoglobina dentro deles menor que o normal. A hemoglobina é necessária para transportar oxigênio e, se tiver poucos glóbulos vermelhos, ou não houver hemoglobina suficiente, haverá uma capacidade diminuída do sangue para transportá-lo para os tecidos do corpo¹.

A anemia é um grave problema de saúde pública global que afeta particularmente crianças pequenas e mulheres grávidas. A Organização Mundial da Saúde estima que 42% das crianças com menos de 5 anos de idade e 40% das mulheres grávidas em todo o mundo são anêmicas¹.

As causas mais comuns de anemia incluem deficiências nutricionais, como falta de ferro, deficiências em folato, vitaminas B12 e A; hemoglobinopatias, que são um grupo de doenças em que há alguma falha na produção da hemoglobina; e doenças infecciosas como malária, tuberculose, HIV e infecções parasitárias¹.

O principal sintoma é o cansaço, a fraqueza, tontura, falta de ar, entre outros. A anemia por deficiência de ferro, denominada anemia ferropriva, também demonstrou afetar o desenvolvimento cognitivo e físico em crianças e reduzir a produtividade em adultos¹.

A anemia por deficiência de ferro é a mais comum e é relativamente fácil de tratar por meio de mudanças na dieta¹. O ferro é um nutriente essencial para a vida e atua principalmente na fabricação dessas células vermelhas do sangue².

 

Fontes de ferro²:

O ferro pode ser fornecido ao organismo por alimentos de origem animal e vegetal. São melhores fontes de ferro as carnes vermelhas, principalmente fígado de qualquer animal e outras vísceras (miúdos), como rim e coração; carnes de aves e de peixes e mariscos crus. Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o leite e o ovo não são fontes importantes de ferro. Entre os alimentos de origem vegetal, destacam-se os folhosos verde-escuros (exceto espinafre), como agrião, couve, cheiro-verde, taioba; as leguminosas (feijões, fava, grão-de-bico, ervilha, lentilha); grãos integrais ou enriquecidos; nozes e castanhas, melado de cana, rapadura e açúcar mascavo. Também existem disponíveis no mercado alimentos enriquecidos com ferro como farinhas de trigo e milho, cereais matinais, entre outros.

 

Fontes:
1– Anaemia overview – Who. Disponível em https://www.who.int/health-topics/anaemia#tab=tab_1. Último acesso no dia 4 de junho de 2020.
2- Anemia – Biblioteca Virtual de Saúde Ministério da Saúde. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/dicas-em-saude/431-anemia. Último acesso em 4 de junho de 2020.