A meningite é um processo inflamatório das meninges, membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal. Pode ser causada por diversos agentes infecciosos, ou também por processos não infecciosos como, por exemplo, medicamentos e neoplasias. É uma doença grave, de evolução rápida, cujo prognóstico depende fundamentalmente do diagnóstico precoce e da instituição imediata de tratamento adequado². 

 

Entre os agentes infecciosos, as bactérias e os vírus são os mais importantes do ponto de vista da saúde pública e clínico, devido a sua magnitude, capacidade de causar surtos e, no caso da meningite bacteriana, a gravidade¹. 

 

Todas as faixas etárias podem ser acometidas pela doença, porém o maior risco de adoecimento está entre as crianças menores de 05 (cinco) anos, especialmente as menores de 01 (um) ano de idade¹. Na doença causada pela bactéria Neisseria meningitidis, além das crianças, os adolescentes e adultos jovens têm o risco de adoecimento aumentado em surtos¹. Na meningite pneumocócica (causada pelo Streptococcus pneumoniae) idosos e indivíduos portadores de quadros crônicos ou de doenças imunossupressoras também apresentam maior risco de adoecimento¹. O sexo masculino também é o mais acometido pela doença¹.  

 

No Brasil, a meningite é considerada uma doença endêmica, deste modo, casos da doença são esperados ao longo de todo o ano, com a ocorrência de surtos e epidemias ocasionais¹. A ocorrência das meningites bacterianas é mais comum no outono-inverno, e das virais na primavera-verão¹. 

 

Causas 

A meningite de origem infecciosa pode ser causada por diferentes agentes, como as bactérias, os vírus, os fungos e os parasitas¹.  

 

Sintomas 

Os sintomas da meningite incluem início súbito de febre, dor de cabeça e rigidez do pescoço¹. Muitas vezes há outros sintomas, como¹: 

  • Malestar 
  • Náusea 
  • Vômito 
  • Fotofobia (aumento da sensibilidade à luz) 
  • Status mental alterado (confusão) 

 

Com o passar do tempo, alguns sintomas mais graves de meningite bacteriana podem aparecer, como: convulsões, delírio, tremores e coma. 

 

Como é transmitida? 

Na meningite bacteriana, geralmente, a transmissão é de pessoa a pessoa, por meio das vias respiratórias, por gotículas e secreções das vias aéreas superiores (do nariz e da garganta)¹. Já na meningite viral a transmissão fecal-oral é de grande importância, especialmente nas infecções por enterovírus¹. 

 

Diagnóstico 

O diagnóstico laboratorial é imprescindível para a identificação precisa do agente agressor²O principal material utilizado é o líquido cefalorraquidiano (LCR) ou LÍQUOR, mas o sangue (em todos os casos, coletar também hemocultura) e esfregaço de pele no caso da presença de petéquias são de fundamental importância². 

 

Tratamento 

Devido à gravidade do quadro clínico, os casos suspeitos de meningite sempre são internados nos hospitais, por isso, ao se suspeitar de um caso, é urgente a procura por um pronto-socorro hospitalar para avaliação médica¹. 

 

Para tratamento das meningites bacterianas, faz-se uso de antibioticoterapia em ambiente hospitalar, com drogas de escolha e dosagens terapêuticas prescritas pelos médicos assistentes do caso¹. Para as meningites virais, na maioria dos casos, não se faz tratamento com medicamentos antivirais¹. Em geral as pessoas são internadas e monitoradas quanto a sinais de maior gravidade, e se recuperam espontaneamente¹.  

 

 Nas meningites fúngicas o tratamento é mais longo, com altas e prolongadas dosagens de medicação antifúngica, escolhida de acordo com o fungo identificado no organismo do paciente¹. Nas meningites por parasitas, tanto o medicamento contra a infecção como as medicações para alívio dos sintomas são administrados por equipe médica em paciente internado¹. Nestes casos, os sintomas como dor de cabeça e febre são bem fortes, e assim a medicação de alívio dos sintomas se faz tão importante quanto o tratamento contra o parasita¹. 

  

Prevenção 

A meningite é uma síndrome que pode ser causada por diferentes agentes infecciosos¹. Para alguns destes, existem medidas de prevenção primária, tais como as vacinas e outros meios tendentes a evitar a doença e sua propagação¹. As vacinas estão disponíveis no calendário de vacinação da criança do Programa Nacional de Imunização 

Outras formas de prevenção incluem: evitar aglomerações e manter os ambientes ventilados e limpos¹. 

 

Fontes: 
1 – Meningite: o que é, causas, sintomas, tratamento, diagnóstico e prevenção. Disponível em http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/meningites. Último acesso no dia 02 de maio de 2019. 
2 MENINGITES EM GERAL E DOENÇA MENINGOCÓCICA. Disponível em http://www.dive.sc.gov.br/conteudos/imunizacao/publicacoes/Apostila_meningite.pdf http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/programa_nacional_imunizacoes_pni40.pdf Último acesso no dia 02 de maio de 2019.