A sinusite é uma inflamação das mucosas dos seios da face, região do crânio formada por cavidades ósseas ao redor do nariz, maçãs do rosto e olhos¹ e pode ser causada por infecção viral ou bacteriana².

Os seios da face dão ressonância à voz, aquecem o ar inspirado e diminuem o peso do crânio, o que facilita sua sustentação. São revestidos por uma mucosa semelhante à do nariz, rica em glândulas produtoras de muco e coberta por cílios dotados de movimentos vibráteis, que conduzem o material estranho retido no muco para a parte posterior do nariz, com a finalidade de eliminá-lo¹.

O fluxo da secreção mucosa dos seios da face é permanente e imperceptível. Alterações anatômicas, que impedem a drenagem da secreção e processos infecciosos ou alérgicos, que provocam inflamação das mucosas e facilitam a instalação de germes oportunistas, são fatores que predispõem à sinusite¹.

A sinusite pode ser classificada em dois tipos: aguda (duração dos sintomas menor que 12 semanas²): costuma ocorrer dor de cabeça na área do seio da face mais comprometido (seio frontal, maxilar, etmoidal e esfenoidal), que pode ser forte, em pontada, pulsátil ou sensação de pressão ou peso na cabeça. Na grande maioria dos casos, surge obstrução nasal com presença de secreção amarela ou esverdeada, que dificulta a respiração. Febre, cansaço, coriza, tosse, dores musculares e perda de apetite costumam estar presentes¹. Já na crônica (maior que 12 semanas²), os sintomas são os mesmos, porém variam muito de intensidade. A dor nos seios da face e a febre podem estar ausentes. A tosse costuma ser o sintoma preponderante, geralmente noturna e que aumenta de intensidade quando a pessoa se deita porque a secreção escorre pela parte posterior das fossas nasais e irrita as vias aéreas¹.

As causas mais frequentes da sinusite aguda são as infecções virais e bacterianas. Atualmente está se dando atenção especial à sinusite fúngica, uma das responsáveis pelas sinusites crônicas. Fungos podem alojar-se na cavidade nasal, formando uma bola que também pode trazer sérias complicações, por isso a necessidade de acompanhamento médico especialista¹.

Outros fatores que podem causar sinusite crônica são: contato com substâncias irritantes aos seios da face como fumo, poluição do ar, agentes químicos, detergentes e desinfetantes usados para limpeza de casa; alergias (rinite alérgica e asma); qualquer coisa que cause estreitamento da nasofaringe (“cavidade nasal”) como traumas faciais e pólipo nasal; e fibrose cística (condição genética rara)².

Se a sinusite vier acompanhada de gripes, resfriados e processos alérgicos é importante beber bastante líquido (pelo menos 2 litros de água por dia) e gotejar de duas a três gotas de solução salina nas narinas, muitas vezes por dia. Inalações com essa mesma solução, soro fisiológico ou vapor de água quente ajudam a eliminar as secreções. Evitar o ar condicionado, pois além de ressecar as mucosas e dificultar a drenagem de secreção, pode disseminar agentes infecciosos (especialmente fungos) que contaminam os seios da face. Procurar um médico se os sintomas persistirem para um tratamento adequado¹.

 

Fontes:
1– Sinusite – Biblioteca Virtual em Saúde Ministério da Saúde. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/dicas/235_sinusite.html. Último acesso no dia 10 de junho de 2020.
2- O que é sinusite? Quais suas causas e sintomas? – Biblioteca Virtual em Saúde Ministério da Saúde. Disponível em: https://aps.bvs.br/aps/o-que-e-sinusite-quais-suas-causas-e-sintomas/. Último acesso no dia 10 de junho de 2020.