A vacinação é uma das medidas mais importantes de prevenção contra doenças¹. É muito melhor e mais fácil prevenir uma doença do que tratá-la, e é isso que as vacinas fazem¹. Elas protegem o corpo humano contra os vírus e bactérias que provocam vários tipos de doenças graves, que podem afetar seriamente a saúde das pessoas e inclusive levá-las à morte¹. 

 

A vacinação não apenas protege aqueles que recebem a vacina, mas também ajuda a comunidade como um todo¹. Quanto mais pessoas de uma comunidade ficarem protegidas, menor é a chance de qualquer uma delas – vacinada ou não – ficar doente¹. Além disso, algumas doenças preveníveis por vacina podem ser erradicadas por completo, não causando mais doença em nenhum local do mundo¹. 

 

É importante destacar que as vacinas não são necessárias apenas na infância¹. Os idosos precisam se proteger contra gripe, pneumonia e tétano, e as mulheres em idade fértil devem tomar vacinas contra rubéola e tétano, que, se ocorrerem enquanto elas estiverem grávidas (rubéola) ou logo após o parto (tétano), podem causar doenças graves ou até a morte de seus bebês¹. Os profissionais de saúde, as pessoas que viajam muito e outros grupos de pessoas, com características específicas, também têm recomendações para tomarem certas vacinas¹. 

 

No Brasil, o Ministério da Saúde oferece gratuitamente um grande número de vacinas contra diversas doenças graves¹. Todos devem estar atentos ao calendário básico de vacinação, devem levar seus filhos e estimular os parentes a irem aos postos de saúde para serem vacinados nas idades recomendadas¹. Fique atento ao Programa Nacional de Imunizações (PNI), um dos mais reconhecidos em saúde pública no Brasil e no mundo do Ministério da Saúde, de grande aceitação por boa parte da população².   

 

Veja abaixo, algumas das vacinas mais importantes e necessárias ao longo da vida. 

 

Vacinas para crianças: 

  • Vacina hepatite B (recombinante); 
  • Vacina BCG; 
  • Vacina adsorvida difteria, tétano, pertussisHaemophilus influenzae b e hepatite B (conjugada); 
  • Vacina poliomielite 1, 2 e 3 (VIP) (inativada); 
  • Vacina oral rotavírus humano G1P1 [8] (atenuada);
  • Vacina pneumocócica 10 (conjugada); 
  • Vacina meningocócica C (conjugada);
  • Vacina poliomielite 1, 2 e 3 (VOP) (atenuada); 
  • Vacina febre amarela (atenuada); 
  • Vacina sarampo, caxumba e rubéola; 
  • Vacina sarampo, caxumba, rubéola e varicela. 

 

Vacinas para adolescentes: 

  • Vacina hepatite B (recombinante); 
  • Vacina adsorvida difteria e tétano – dT (Dupla tipo adulto); 
  • Vacina febre amarela (atenuada); 
  • Vacina sarampo, caxumba e rubéola – SCR (VTV); 
  • Vacina papilomavírus humano 6, 11, 16 e 18 (HPV)(recombinante). 

 

Vacinas para adultos e idosos: 

  • Vacina hepatite B (recombinante); 
  • Vacina adsorvida difteria e tétano – dT (Dupla tipo adulto);
  • Vacina febre amarela (atenuada); 
  • Vacina sarampo, caxumba e rubéola – SCR(VTV); 
  • Vacina influenza (fracionada, inativada); 
  • Vacina pneumocócica 23-valente (polissacarídica). 

 

Fontes: 
1 – Cartilha de vacinas: para quem quer mesmo saber das coisas / Cristina Toscano, Ligia Kosim – Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2003Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cart_vac.pdf. Último acesso no dia 30 de abril de 2019. 
2- Programa Nacional de Imunizações (PNI) : 40 anos / Ministério da Saúde. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/programa_nacional_imunizacoes_pni40.pdf. Acesso no dia 30 de abril de 2019. 
3 Calendário básico de vacinação da criança. Disponível em http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/canlendario_vacinal_04042014.pdf. Acesso no dia 30 de abril de 2019.