Você conhece alguém que sofre com depressão ou consegue perceber quando alguém precisa de ajuda? Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que a depressão já afeta 322 milhões de pessoas ao redor do mundo, sendo 11,5 milhões de brasileiros.

A depressão é uma doença mental caracterizada pela tristeza, pessimismo, perda de interesse e baixa autoestima e, ainda de acordo com a OMS, a depressão é considerada a principal causa de problemas de saúde e invalidez. Quem sofre com esse distúrbio tem mais chances de desenvolver várias doenças e transtornos mais graves, como diabetes, doenças cardíacas, vícios e comportamento suicida. O Ministério da Saúde considera o suicídio um problema de saúde pública, já que a cada hora um brasileiro acaba com a sua vida, enquanto outros três tentam o mesmo sem sucesso.

Veja abaixo alguns dados sobre a doença e o que pode ser feito para ajudar no combate a esse mal!

Sinais de alerta da depressão:

  • Irritabilidade, ansiedade, angústia ou humor depressivo
  • Desânimo e cansaço
  • Perda da alegria e do prazer em realizar atividades anteriormente consideradas agradáveis
  • Desinteresse, falta de motivação e apatia
  • Falta de vontade e indecisão
  • Medo, insegurança, desesperança, desespero, desamparo e vazio
  • Pessimismo, culpa, baixa autoestima, sensação de falta de sentido na vida, inutilidade, ruína, fracasso, doença ou morte.
  • Desejo de morrer, planejar uma forma de morrer ou tentar suicídio
  • Interpretação distorcida e negativa da realidade
  • Dificuldade de concentração, raciocínio mais lento e esquecimento
  • Perda ou aumento do apetite e do peso
  • Insônia
  • Aumento no uso de drogas ou álcool
  • Sentir como se fosse um peso para as outras pessoas
  • Sentir-se isolado
  • Afastamento da família e amigos

O que você pode fazer:

  • Não deixar a pessoa sozinha
  • Tire de perto armas de fogo, álcool, drogas, ou objetos cortantes
  • Ligue para canais de ajuda
  • Leve a pessoa para uma assistência especializada

Muitas pessoas que sofrem de depressão não demonstram estar mal e, muitas vezes, nem sabem que têm a doença. Por isso, é importante ficarmos atentos a quem está ao nosso redor. Ao reconhecer qualquer um dos sinais de alerta citados acima, procure ajuda especializada.